O Espírito da Verdade não permite que nenhuma mentira nos deixe órfãos!

VI Domingo do Tempo Pascal

( At 8, 5-8.14.17; Sl 65; 1 Pd 3, 15-18; Jo 14, 15-21)

“Não vos deixarei órfãos”. (Jo 14, 18)

Não poderíamos imaginar o quão este versículo se tornaria tão impactante como foi, nestes últimos dias para nós brasileiros. O acirramento da crise política nacional nos vitimou com um sentimento de orfandade, de abandono, de desconfiança de uma paternidade social antes possível para com o ideal republicano de pátria. A Pátria é gênero feminino sabemos, mas sua distante origem vêm do nominativo pater (Pai-masculino), tem como genitivo (adjunto adnominal) Patris que significa “do Pai”, ou “Pais” (plural) que indica posse e pertença ao Pai. Bom o antigo latim nos ajuda a entendermos este árido sentimento que atravessa a alma dos brasileiros nestes dias. Os últimos escândalos atingiram agora aos pais de nossa Pátria! De forma vexatória chegaram a mais alta hierarquia. Isto por mais que queiramos brincar (com postagens na internet), ou contestar as afirmações (com ofensas e ameaças pela internet), nos fere profundamente e nos fez de uma espécie de   órfãos sociais. Aqui cabe recordar a pergunta feita por Tomé e por Filipe na liturgia de domingo passado tem significado imenso hoje: “Senhor para onde vais? Como podemos conhecer o caminho?” (Jo 14, 5); “Mostra-nos o caminho e isto nos basta?” ( Jo 14, 9).

Nossos dois discípulos começam a sentir no coração que uma orfandade os visitava. Jesus fora um irmão, um mestre, o messias, mas exerceu para com seus discípulos uma profunda e íntima paternidade espiritual. Foi muitas coisas para eles, mas ao mesmo tempo, forá sempre um pai: “ele estava ainda longe, quando seu pai viu-o, encheu-se de compaixão, correu e lançou-se ao pescoço, cobrindo-o de beijos” (Lc 15, 20) .

Mas é claro que a partida de Jesus à casa do Pai, nada têm a ver com a partida que devem fazer alguns de nossos políticos. E por que? Por que ambas despedidas forma antecipadas por um caminho. Jesus deixou marcas no caminho no coração daqueles discípulos jamais esquecidas. Sinais de vida, amor a Deus e ao próximo e um desejo de ser como Ele era. Este foi o vínculo maior que nos deixou: “Se me amais guardareis meus mandamentos (…) e Eu o amarei e me manifestarei a ele” (Jo 14, 15.21) e com este, o desejo de uma existência “alta”, “santa”, se quisermos falar: verdadeiramente ética e altruísta. Tudo e qualquer analogia não será capaz de limitar todo o significado deixado por Jesus, no coração daquela primeira geração e claro que também no nosso! E o caminho deixado por Cristo, nada têm a ver com o caminho que nos deixam nossos “pais na política”.

Hoje como Tomé e Filipe, com o coração apertado também dizemos ao Senhor: “Nós não sabemos o caminho? Mostra-nos o Pai e isto nos basta?”. Por isso vale a nós como aqueles primeiros discípulos a resposta dada pelo Senhor: “Eu sou o caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14, 6s).

Na liturgia de hoje Jesus faz uma promessa a seus discípulos que ainda que venha ausentar-se por um tempo: “filhinhos por pouco tempo ainda estou convosco (…) Para onde vou vós não podereis ir, dou-vos um novo mandamento que vos ameis uns aos outros” (Jo 13, 33-34), não irá permitir que o sentimento de orfandade, de abandono, de desconfiança se apodere dos seus corações. Ele promete um paráclito, um consolador, que permanecerá com eles para sempre (Jo 14, 15). À esta força do alto chama de: “O Espírito da Verdade que o mundo não pode acolher porque não o vê nem o conhece. Vós o conheceis porque permanece para sempre dentro de vós” (Jo 14, 17). Se antes havíamos refletido como fora diverso o caminho deixado por Jesus a nós e como os estragos deixados por nossos políticos nos causam tanta incerteza, aqui chegamos a outro abismo de diferenças: Nosso Senhor, nos deixou o Espírito da Verdade. É um outro qualificativo dado ao Espírito Santo de Deus, afirmando que Ele é Verdade; só Nele podemos discernir o que é a Verdade e também é claro somente com Ele caminhar sob a estrada do bem, da ética, do amor e de tudo o mais que o Senhor nos deixou. Cristo não deixou-nos órfãos, não deixou-nos apenas mergulhados no beco sem saída do espírito do mundo, Ele na verdade permanece sempre conosco e mais permanece dentro de nós, como uma luz, iluminando nossa vida e os momentos de escuridão que podemos passar. Sua partida, despedida dos seus, foi preciso para que o caminho se ampliasse e para que nós seus discípulos compreendessem que só completaremos a corrida (Fl 3, 7), com o auxílio deste Espírito da Verdade.

Têm faltado muita verdade à classe política. Sem generalizações e ideologias, é a própria história que tem nos feito chegar a esta triste conclusão. A política é importante. Ela é mediação possível para o bem comum, para a dignidade humana. Talvez por isso nossos pais na filosofia a definiram como a mais alta de todas as virtudes. No entanto pode estar faltando virtus aos homens que fazem política. O espírito do mundo se apossou deste espaço, mas ele não é seu. Ele é de homens e mulheres que cuidam da política com Verdade e ética não com mentira e interesses próprios.

Na segunda leitura o apóstolo Pedro nos faz ver o lugar desta Verdade em nós: “antes santificai a Cristo o Senhor em vossos corações, estando sempre prontos a dar razão da vossa esperança (…) conservando a boa consciência, para que se em alguma coisa sois difamados, sejam confundidos os que ultrajam vosso bom comportamento”. Atualíssimo texto de são Pedro. A Verdade se manifesta em nós primeiro por dentro. Senão pode parecer apenas um revestimento. A conduta, o comportamento, o testemunho que estamos dando no mundo, é em primeiro lugar uma esperança que deve ser sempre integrada e renovada em cada um, pelo Espírito da Verdade. Possamos viver sempre assim. Buscando as coisas do alto (Col 3, 1) e não se deixando seduzir por caminhos ou marcas que infelizmente outros nos deixam.

Que nossa esperança nunca venha a ser confundida e que a força do alto nos ajude a permanecer sempre em Deus.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s